Sinistralidade: Operação de Natal da GNR registou 15 mortos, mais do dobro do ano passado


Os dados finais apurados pela GNR apontam para um total de 1360 acidentes, 15 mortos, 29 feridos graves e 449 feridos ligeiros. Uma das vítimas mortais registou-se em Almodôvar, distrito de Beja.

Segundo a GNR, a operação deste ano, que durou mais um dia do que a do ano passado, foi mais negativa a todos os níveis: mais 313 acidentes rodoviários, mais oito vítimas mortais, mais cinco feridos graves e mais 112 feridos ligeiros.

Uma pessoa morreu nos 176 acidentes registados pela GNR no último dia da operação “Natal Tranquilo”, elevando para 15 o total de vítimas mortais. Uma das vítimas mortais registou-se no distrito de Beja, num acidente que ocorreu na zona de Porteirinhos, concelho de Almodôvar e que vitimou um militar da GNR de 27 anos.

De acordo com os dados registados na quarta-feira, o último dia da operação “Natal Tranquilo”, houve ainda três feridos graves e 44 feridos ligeiros nos acidentes ocorridos nas estradas sob jurisdição da GNR.

O distrito com mais acidentes registados no último dia da operação foi o Porto (29), seguido de Lisboa (24), Faro e Aveiro (16), Braga (13), Viseu (11) e Coimbra e Leiria (11).

A vítima mortal foi registada num acidente ocorrido no distrito de Faro e os três feridos graves em desastres em Lisboa, Viseu e Beja, acidente no IC1, em Aldeia de Palheiros, concelho de Ourique, com dois feridos graves.

O troço do IC 1, entre o cruzamento de Panoias e Santana da Serra, na distância de 55 quilómetros é conhecido como no concelho “corredor da morte” (veja destaque no fundo da peça).

A operação “Natal Tranquilo” decorreu entre as 21 horas da passada sexta-feira e as 24 horas de quarta-feira e, no total, registou 15 vítimas mortais. Este número é mais do dobro do valor registado na operação da GNR em 2017 (7 mortos).

De acordo com os dados divulgados pelo Comando Territorial de Beja (CTBeja) da GNR, entre 17 e 23 de dezembro nas estradas do distrito registaram-se 40 acidentes, resultando em dois mortos, um ferido grave e 19 feridos leves. Houve a detenção de seis pessoas, cinco por condução sem habilitação legal e uma por condução sob efeito do álcool.

Das 278 infrações detetadas pelos militares do CTBeja, destacam-se: 29 relacionadas com tacógrafos, 19 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças, 11 por condução com Taxa de Álcool no Sangue superior ao permitido por lei, 9 por falta de inspeção periódica obrigatória, 8 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório, 4 por excesso de velocidade e 3 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução.

Os dados da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), revelam que entre 1 de janeiro e 21 de dezembro de 2018, no distrito de Beja registaram-se 2.135 acidentes, mais 58 do que no ano passado, com 22 mortos, mais 2 do que no mesmo período de 2017.

Entre 22 de dezembro de 2017 e 21 de dezembro de 2018, há o registo de 23 mortos, mais 3 do em igual período de 2016 a 2017.

IC1- Troço de 55 Kms é “corredor da morte”

O troço do IC 1, que liga Lisboa ao Algarve, entre os quilómetros 645, no cruzamento de Panóias, e o 700, em Santana da Serra, que tem nas zonas de Aldeia dos Palheiros e Portela do Lobo, as “mais negras” da via, é definido pelos bombeiros e populares do concelho de Ourique, como o “corredor da morte”.

Com o acidente de ontem (quarta-feira), entre 1 de janeiro e 26 de dezembro, registaram-se 16 acidentes, com 12 feridos ligeiros, 14 graves e 1 morto, descritos por fonte dos bombeiros como “números mais felizes dos registados no ano passado”.

Em 2017, os números da sinistralidade naquele troço foram muito mais graves, tendo-se registado 21 acidentes, dos quais resultaram 5 mortos. Quanto a feridos houve o registo de 30 feridos, 18 considerados como leves, 8 graves e 4 assistidos no local. Em dois dos acidentes houve 8 pessoas que se recusaram a ser assistidos.

Teixeira Correia

(jornalista)


Share This Post On
970x90_logo