Covid-19: Presidente da Câmara de Moura defende nova metodologia de contagem de casos.


Uma reunião por videoconferência, juntou o Primeiro-ministro e os autarcas dos setes concelhos com os mais altos níveis de incidência de infeções por covid-19.

Um dos temas mais analisado no encontro foi a nova metodologia de contagem aplicada pela Direção-Geral de Saúde (DGS). Esta nova metodologia definida e aplicada pela DGS, resulta da implementação da Matriz de Risco, que conjuga os dados relativos à incidência cumulativa a 14 dias por 100 mil habitantes e o Risco de transmissibilidade (Rt) a 7 dias.

O presidente da Câmara de Moura, revelou ao Lidador Notícias (LN) que perante António Costa, apresentou a opinião que “temos defendido nas últimas semanas a contestar esse método, muito prejudicial para os territórios com menos densidade populacional”, justificou.

Álvaro Azedo sustentou perante o Primeiro-ministro “a realidade dos últimos” justificando que “entre 17 e 30 de março tivemos 65 novos casos, com uma incidência de 473 casos, mas tivemos 47 recuperados. Ou seja, ficámos com 18 casos, mas os recuperados não são tidos em conta. Não é justo”, rematou.

O edil diz que no Município “foi feito no último ano um trabalho de testagem exemplar”, assegurando o autarca que “foi um programa que envolveu muita gente de diversos sectores e em que foi feita uma grande mobilização”, resumiu. Álvaro Azedo mostrou-se agastado pelo facto de se estar “a apontar o dedo aos municípios com um sobe e desce que parece a Liga de Futebol”, atirou.

O autarca da “Cidade Salúquia” recordou o início da pandemia onde “passámos por muito e lutámos todos juntos por um bem comum: a nossa saúde. Queremos ser tratados com justiça porque no concelho de Moura temos lutado muito contra o vírus e não podemos ser derrotados por uma fórmula matemática que não trata todos de igual”. 

Álvaro Azedo revelou que por causa de um recente caso positivo de uma professora foi feita uma testagem massiva a toda a comunidade: “fizemos 300 testes e houve três miúdos que deram positivo, mas que nem sequer tinham tido contato com a docente”, exigindo maior fiscalização por parte das autoridades para que todos cumpra.

O edil afirmou ao LN que António Costa foi sensível a falar com as instituições responsáveis pela criação e aplicação da nova metodologia de calculo dos casos de covid-19 e de impor maior uma maior fiscalização nos concelhos com maior incidência, o que o Primeiro-ministro acabou por anunciar após a reunião com os autarcas.

Teixeira Correia

(jornalista)


Share This Post On
970x90_logo