Beja: Jovem de 15 anos assumiu liderança da Juventude Concelhia do Partido Socialista.


Manuel Castro Coelho, é o líder da Concelhia de Beja do JS, cuja posse aconteceu no passado dia 6 de fevereiro. Ontem foi reeleito Pedro do Carmo, como presidente da Federação do Baixo Alentejo.

Manuel Coelho_800x800jpgAo tomar posse como presidente da Concelhia de Beja do Partido Socialista, no passado dia 6 de fevereiro, Manuel Castro Coelho, tornou-se o mais jovem líder de sempre de uma Juventude partidária em Portugal. Com somente 15 anos, o alentejano, pode também tornar-se no mais novo presidente Distrital ou Nacional de uma “jota” e também aqui ultrapassar Pedro Passos Coelho, o ex-Primeiro-ministro que foi dos mais jovens a chegar à liderança da estrutura juvenil do PSD.

Apontado como um jovem como “grande maturidade e visão”, Manuel Castro Coelho, assume sem complexos, ser um admirador de José Sócrates e tal como o presidente da Federação do Baixo Alentejo, apoiou António José Seguros, como líder do Partido Socialista. A sua “madrinha” política é Conceição Casanova, antiga deputada do PS e do Secretariado da Federação do Baixo Alentejo. Manuel quer que a “desacreditação” porque passa a política e os políticos, sirva para “encontrar” políticas modernas e dinâmicas para desenvolver o Baixo Alentejo.

Que razões o levaram para a política?

-Desde muito pequeno que sempre tive uma paixão pela política. Sempre gostei de ver debates, vibrava com campanhas políticas e o bichinho já estava dentro de mim. Todos pensavam que com o andar do tempo isto ia passar, mas enganaram-se (risos), eu cresci e o bichinho acentuou-se cada vez mais.

 Que motivações tem atualmente um jovem para aderir ao movimento político?

– No momento atual assistimos a uma grande desacreditação por parte da população jovem face à política o que fez com que a minha motivação crescesse para incentivar mais jovens a participar civicamente nos interesses da nossa região de forma a encontrar políticas modernas e dinâmicas em prol do desenvolvimento do Baixo Alentejo.

Qual, quando e onde foi a sua primeira atividade na política?

-Quando fui a primeira vez a sede do Partido Socialista em Beja para poder fazer a inscrição na JS recebi o convite da parte da Dra. Conceição Casa Nova para estar presente no XVI Congresso da Federação do Baixo Alentejo do PS que se realizou em Almodôvar em 2014. Foi uma experiência marcante na minha vida.

Quem é o político que mais admira e porquê?

– O político que mais admiro é sem dúvida o Engº José Sócrates, pois foi com ele que comecei a ver os primeiros debates políticos e a ter mais interesse pelas questões politicas e sobretudo porque lhe reconheço muitas qualidades enquanto político (perspicácia, inteligência, e a grande capacidade de liderança) e pela forma como atuou em todos os cargos que desempenhou no governo, e em especial, como Primeiro- Ministro.

A frontalidade de dizer que admira Sócrates, não lhe será prejudicial?

Não, de forma nenhuma. Pode inclusivamente ser um fator positivo, porque considero que foi um bom governante e ainda há muita gente que como eu o admira. De cada pessoa retiramos ensinamentos e este será um dos casos e pode ajudar de forma positiva.

Quando aderiu a militante da JS?

-Aderi a militante da Juventude Socialista em 4 de Novembro de 2014.

Porquê a candidatura à liderança da JS de Beja?

– Candidatei-me à Presidência da Concelhia da JS de Beja, porque é urgente alterar o paradigma da política jovem no concelho e ter o conhecimento profundo da atual situação no distrito. Queremos, eu e a minha equipa, mais participação dos jovens e jovens mais participativos.

Quem o incentivou ou em quem se inspirou para dar este passo?

-Os meus pais sempre foram socialistas, e o tema da política sempre esteve presente no meu seio familiar, despertando desde cedo este meu gosto pela política.

Quais as grandes causas que vai defender no e para o concelho de Beja? 

-A principal causa que procuro defender neste momento é a promoção do interesse dos jovens bejenses para que consigam ter um papel e uma voz mais ativa nos problemas do concelho. Pretendo também promover um maior associativismo, e com ele alcançar uma maior visibilidade a nível local.

Que objetivos tem como líder da Concelhia de Beja da JS ?

-Ao longo do mandato pretendemos desenvolver um trabalho com vista a criar dois núcleos de escolas. O primeiro do agrupamento nº1 de Beja ao qual pertencem a Escola Secundaria Diogo Gouveia, Escola Básica Santiago Maior e Escola Básica Santa Maria. O segundo do agrupamento nº2 de Beja onde pertencem as escolas D.Manuel I e Mário Beirão.

Quais as ações imediatas que vai promover, de que forma e que “frutos espera colher”?

-Esperamos trazer o máximo de jovens para a JS de Beja, aumentando o número de militantes porque a opinião de todos conta. Essa estratégia permitirá complementar a base da nossa organização, desenvolvendo a atuação dos jovens através do debate e da atividade politica, orientados por temas específicos, através dos meios da sociedade e de informação.

Como encontrou a Concelhia de Beja ? 

– Encontrei-a desativada devido ao desinteresse dos seus elementos. A estrutura existia no papel, mas na prática não funcionava.

Os jovens portugueses em geral e os alentejanos em particular estão afastados da política. O que acha que deve ser feito para uma maior aproximação à política e no seu caso ao PS?

-Neste momento é necessário desenvolver ações de consciencialização politica junto das escolas, de modo a promover a importância do associativismo nos dias de hoje, e em particular dos princípios e valores que regem o Partido Socialista.

O facto de só ter 15 anos, não é demasiado jovem para assumir uma liderança política?

Não ligo muito ao facto da idade (risos) para mim é mais importante a determinação e a vontade que tenho para trabalhar em conjunto com a minha equipa. Somos cinco jovens, todos em primeira experiência Política, com o Ramiro Morais a funcionar como “braço direito”. Acredito que iremos criar uma nova dinâmica no seio da juventude do concelho de Beja.

Como justifica o facto de ser líder de uma “jota” e depois não poder exercer o direito de voto ?

É frustrante. Estou desejando ter 18 anos para poder exercer o meu direito e dever cívico de votar.

O presidente da Federação apoiou António José Seguro e você ?

Igualmente. Apesar de me ter identificado mais com o António José Seguro nunca deixei de defender os interesses do meu partido.

O facto do Partido Socialista ser Governo, que responsabilidade acarreta para si e o seu cargo?

Apesar do nosso trabalho ser a nível concelhio, continuamos a ter a responsabilidade de trabalhar para o desenvolvimento do nosso País e quanto melhor for o desempenho do PS enquanto Governo, maior será a minha responsabilidade em apresentar bons resultados no Concelho.

As “jotas” são tidas como “máquinas” de empregos. Que comentário lhe merece?

Já ouvi falar do assunto, mas acredito e tenho a certeza que na JS os seus membros são valorizados pelo mérito do trabalho que desempenham e não o contrário.

O que lhe diz a expressão “jobs for the boys”?

Não acredito que dentro das “jotas” do PS isso aconteça. O que se passa nos outros partidos desconheço.

A maioria dos presidentes das “jotas” de todos os partidos chega, invariavelmente a deputados. Tem esse objetivo no horizonte?

– Para já vou desempenhar o cargo de presidente da concelhia da Juventude Socialista de Beja e por agora não tenho esse objetivo no meu horizonte.

Tornou-se o mais jovem presidente de sempre de uma Juventude partidária mesmo a nível concelhio. Pedro Passos Coelho, foi um dos mais jovens e que chegou a líder de uma “jota” e fez todo o percurso até liderar o Governo do Pais. Pensou alguma vez nisso antes de se candidatar?

Não, nunca pensei tal. Aliás, desconhecia que ele tivesse muito novo a líder nacional da Juventude do seu partido.

Que comentário lhe merece ser agora o mais jovem presidente de uma “jota” ?

É um pormenor, que não mexe comigo. No entanto com o trabalho futuro em prol do concelho e do distrito, isso pode vir a ter um reflexo positivo, mais que não seja, ao nível do conhecimento da minha pessoa.

Tal como o fez Passos Coelho, vai no futuro lutar para chegar a líder do PS e depois a primeiro-ministro ?

A única garantia que dou é que vou sempre trabalhar em prol do bem e pela cidadania. Não pensei ainda em tal porque cheguei ao lugar há “meia dúzia” de dias. Uma coisa é certa, nunca irei deixar de trabalhar pelos interesses dos alentejanos em particular e dos portugueses em geral. Primeiro-ministro ? Tenho muito que aprender e trabalhar, mas como diz o poeta “O sonho comanda a vida”.

QUEM É QUEM

Nome: Manuel José Candeias de Castro Coelho

Data e local de nascimento: 19/09/2000, em Beja

Nome e profissão dos pais: Idalina Maria Juradinho Candeias Castro Coelho-Técnica administrativa e António Victor Marques Castro Coelho- Aposentado.

Irmãos: Duas irmãs gémeas com 24 anos – Ana Filipa Candeias de Castro Coelho licenciada em Sociologia e Maria João Candeias de Castro Coelho licenciada em Psicologia Clinica.

Habilitações literárias: frequento o 10º ano na escola D.Manuel I (línguas e humanidades)

Passatempo preferido: leitura, cinema, programas de cultura e pesca.

Teixeira Correia

(jornalista)


Share This Post On
970x90_logo