(Atualização/Última hora) Beja: Serviço de Urgência de Ginecologia/ Obstetrícia já não encerra.

Atualização: O Serviço de Urgência de Ginecologia/ Obstetrícia do Hospital de Beja já não vai encerrar hoje às 18,00 horas. Foi conseguido um segundo médico.

ATUALIZAÇÃO: Um novo comunicado do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja, dá conta que “a informação constante do mail infra dando nota de encerramento do Serviço de Urgência de Ginecologia e Obstetrícia (no período compreendido entre as 18 h do dia 14 de junho e as 8 h do dia 15 de junho), está ultrapassada, estando o Serviço de Urgência de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital José Joaquim Fernandes, a funcionar em pleno no mencionado período”.

A informação da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, veiculada pelo CDOS não esclarece se o médico é interno, se foi clínico contratado para assegurar esta falha.

A partir das 18,00 horas de hoje e até às 08,00 horas de sábado, o Serviço de Urgência (SU) de Ginecologia/ Obstetrícia do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, volta a encerrar, cinco dias depois da última ocorrência verificada no passado domingo.

Um comunicado do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja, deu conta da informação veiculada pelo Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), que “as utentes que recorrem aquele serviço, serão transferidas”.

Não são especificadas as razões do encerramento, se as grávidas serão atendidas na triagem e qual o hospital para onde serão transferidas.

No documento e para descartar qualquer responsabilidade, o CDOS frisa que se trata de “informação prestada pelo Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo”, remata.

Se nas outras vezes que o encerramento aconteceu foi por um período de 24 horas, coincidindo com o início e final de turnos dos médicos, desta feita o início da interrupção do atendimento é às 18,00 horas, quando a troca de turno é às 16,00 e às 24,00 horas.

Desde o início do ano, esta é a quinta vez que o SU de Ginecologia/ Obstetrícia do Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, encerra, em virtude de a ULSBA não ter conseguido nomear um segundo médico, tendo as grávidas que recorrer, pelos próprios meios, aos serviços do Hospital do Espírito Santo, em Évora, percorrendo mais de 80 quilómetros sem qualquer assistência médica. Os outros hospitais a que as parturientes poderão recorrer serão os de Setúbal, Faro e Portimão.

Esta é a quinta vez que esta situação se verifica no Hospital José Joaquim Fernandes, uma vez que durante 24 horas, das 08,00 horas de 5 de janeiro até às 08,00 horas de 6 de janeiro, e nos mesmos períodos de 2 e 3 de março, 12 e 13 de abril e 9 e 10 de junho.

Recorde-se na sequência do último encerramento, uma mulher deu à luz, cerca das 13,30 horas de domingo, no interior de uma ambulância, num posto de abastecimento de Aljustrel, devido à indisponibilidade de obstetras na Urgência do Hospital de Beja.

A pequena Zita veio ao Mundo com o auxílio dos bombeiros de Aljustrel, pesando 2,930 quilos. A bebé e a mãe foram depois conduzidas para o Hospital de Beja, de onde saíram na terça-feira. Este é um caso que melhor reflete os constantes constrangimentos causados pela falta de médicos no Serviço de Urgência de Ginecologia/Obstetrícia do Hospital de Beja.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo