Beja: Avião aterra de emergência no Terminal Civil com “bomba a bordo”

Um Airbus A330 “aterra” de emergência sob “ameaça” de bomba. No seu interior há passageiros, depois de estacionado o engenho “explode” e “deflagra” um incêndio. Este foi o cenário criado para um exercício no Terminal Civil de Beja.

Um avião com cerca de oito dezenas de pessoas a bordo, aterra de emergência na pista da Base Aérea 11, em Beja, sob ameaça de bomba a bordo. Depois de estacionado no topo norte da placa do Terminal Civil de Beja (TCB), no mesmo local onde esteve estacionado o Airbus A380, a bomba explode, seguindo-se um incêndio.

A realização deste tipo de exercícios é obrigatório para efeitos de manutenção do Certificado de Aeródromo, tem uma frequência mínima de dois anos, este é o quarto desde o início da atividade aeroportuária do TCB e é supervisionado pela Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC).

O exercício teve início às 14,48 horas, e visa testar o Plano de Emergência do TCB, que tem como responsável pela ativação e coordenação, o comandante da Base Aérea 11, em conjunto com o diretor do Terminal Civil, através de um simulacro de emergência à escala total e que envolve diversas entidades no apoio aos sinistrados de um hipotético acidente aéreo, mobilizando várias centenas de operacionais e viaturas.

A Estrada Municipal 528-2, que liga a rotunda do IP8, à localidade de São Brissos, no concelho de Beja, de acesso ao aeroporto, foi encerrada ao trânsito civil, estando esta a ser desviado pela localidade de Beringel, no mesmo concelho, para aceder a aldeias próximas da infraestrutura aeroportuária.

Entre os passageiros (figurantes) a bordo do avião, há perto de dezena e meia de feridos, que são transportados para o Serviço de Urgência do Hospital de Beja e 3 mortos, cujos corpos são levados para o Gabinete Médico-Legal, situada na mesma unidade hospitalar. Para uma maior celeridade no socorro foi criado um “corredor de emergência”, entre o aeroporto e o hospital de Beja.

Para além dos serviços militares da BA11, nomeadamente bombeiros, e aeroportuários, forças de segurança e assistência, estão envolvidas as várias entidades externas do âmbito da Proteção Civil regional e municipal, corpos de Bombeiros, serviços de saúde pública e as autoridades civis e militares para uma rápida intervenção e resolução da situação.

O distrito de Beja estava sob aviso amarelo, mas por causa da agitação marítima forte, mas o IPMA previa períodos de chuva ou aguaceiros e vento forte, localmente intensos em algumas regiões do Alentejo, e 3 minutos antes das 14,00 horas, hora prevista para o início do exercício caiu um forte aguaceiros, que terá retardado o início do exercício.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On