Your SEO optimized title

TECNOCRÓNICA (Opinião de Ademar Dias): história da net, Facebook, Serious Games e punk.

Parte da história da internet está documentada e pode ser consultada na rede. O projeto partiu do ICANN, organismo responsável por manter e gerir os nomes de sites na internet, e que conta a história dos últimos anos.

Em www.icann.org/history pode encontrar documentos, fotos e vídeos que documentam a história das últimas décadas. Ao mesmo tempo constata-se a evolução da internet, através das figuras marcantes, dos momentos chave e das decisões que ajudaram a transformar a grande rede.

A ideia passa por criar uma ferramenta apenas expositiva, com as conclusões a ficarem a cargo dos leitores.

O projeto está em desenvolvimento e ainda a receber novos conteúdos, pelo que vale a pena revisitar o site com alguma frequência. Lá pode aceder à informação por linhas ou temas, para além de poder consultar entrevistas não editadas.

O Facebook continua a ser a rede social onde as pessoas passam mais tempo. Ainda assim, a plataforma sofreu uma queda de 44% no tempo de utilização.

Segundo um novo relatório da Verto Analytics, em 2016, a quantidade média de tempo que um utilizador gastava mensalmente na rede social de Mark Zuckerberg totalizava 32 horas e 43 minutos. Em 2017, essa média mensal caiu para 18 horas e 24 minutos.

Também o número médio de sessões mensais no Facebook caiu, de 311 para 173, enquanto a quantidade de tempo gasto numa sessão média aumentou ligeiramente, de 6 minutos e 18 segundos para 6 minutos e 23 segundos.

Numa análise geram, as redes sociais ainda representam uma grande parte do tempo mensal gasto por um utilizador na internet, mas a diminuição do tempo de utilização é clara. Se, em 2016, os utilizadores passaram mais de 39 horas por mês nas redes sociais, este ano ficaram-se pelas 26 horas por mês.

Um estudo da Universidade de Coimbra defende que os chamados Serious Games podem ser usados como auxiliar de diagnóstico em patologias que envolvam avaliações neuropsicológicas.

A equipa recolheu dados que permitissem estudar o desempenho das funções cognitivas do público-alvo. Durante as experiências, que foram feitas a dois grupos de pessoas idosas, foram recolhidos e analisados cerca de uma centena de indicadores, que permitiram estudar os níveis de desempenho ao longo do jogo.

À mesma amostra foi aplicado também o Montreal Cognitive Assessement (MoCA), um teste padrão usado em contexto clínico para rastreio de défice cognitivo.

Os resultados revelaram “uma correlação direta entre o desempenho obtido nos jogos e o resultado alcançado no teste MoCa”, ou seja, “os jogadores que obtiveram melhor performance no teste padrão foram os que conseguiram concluir mais níveis nos jogos”, explica Licínio Roque, um dos investigadores.

Esta correlação indica que os Serious Games podem, no futuro, “ser utilizados como instrumento auxiliar de diagnóstico em patologias que envolvam avaliações neuropsicológicas”, e que “os jogos podem, de uma forma menos estressante e mais atrativa, ser usados como indicadores de substituição para testes cognitivos”.

Já Joaquim Cerejeira defende que esta nova abordagem “poderá vir a ser útil para caraterizar e monitorizar a função cognitiva dos doentes de uma forma rotineira e cómoda”, permitindo verificar “se o desempenho do doente está de alguma forma prejudicado e verificar em que medida o tratamento instituído está a ser eficaz”.

Agora entramos no campo da música e apresentamos uma lista, a dos 50 melhores álbuns de pop-punk, num ranking elaborado pela Rolling Stone.

Apesar da natureza punk à volta de um movimento de reação contra o mainstream, certo é que houve naquelas canções de três acordes uma verdadeira sensibilidade pop.

A lista dos 50 melhores álbuns de pop-punk de sempre para a Rolling Stone apresenta nomes conhecidos de todos, como os “pais” do género, os Ramones, mas também bandas como os Good Charlotte, Misfits, Fall Out Boy e, claro, os Green Day.

O top 3 faz-se com o disco “Rocket to Russia” (1977), dos The Ramones; “Enema of the State” (1999) dos Blink-182, e “Dookie” (1994), dos Green Day, na liderança.

Aqui fica o link para consulta a lista completa: http://www.rollingstone.com/music/lists/50-greatest-pop-punk-albums-w508222

E a terminar, como habitualmente, abrimos espaço ao cinema.

Chega agora às salas o filme “Só Para Bravos”, do realizador Joseph Kosinski.

Josh Brolin, Miles Teller e Jeff Bridges são os destaques entre o elenco desta película que conta a história heróica de uma unidade elite de bombeiros.

Não há muito mais a dizer, apenas isto: espreite o trailer em https://www.youtube.com/watch?v=vXTdiBhAYOU

Share This Post On