Regadio (Opinião de Francisco Palma): A financeirização da agricultura, o caso de Alqueva.
Out15

Regadio (Opinião de Francisco Palma): A financeirização da agricultura, o caso de Alqueva.

Alqueva parece que foi mais uma exigência das empresas de obras públicas para se fazer mais uma obra com um custo de 2,5 mil milhões de euros, e um aproveitamento dos fundos europeus, do que uma exigência dos alentejanos na mudança e no acreditar que o desenvolvimento que o recurso natural água iria trazer ao Alentejo.

Ler Mais
Opinião (José Lúcio/ Juiz): Todos presos, e isto resolve-se tudo?
Out12

Opinião (José Lúcio/ Juiz): Todos presos, e isto resolve-se tudo?

As prisões gozam actualmente de uma estranha popularidade. Os portugueses de hoje entusiasmam-se com a possibilidade de se prenderem uns aos outros. Fale-se de qualquer vago delito ou de suspeita mais ou menos fundada e rebenta de imediato o clamor – deviam estar todos presos!

Ler Mais
TECNOCRÓNICA (Opinião de Ademar Dias): novas tecnologias e desigualdade em semana de novidades nos videojogos.
Out11

TECNOCRÓNICA (Opinião de Ademar Dias): novas tecnologias e desigualdade em semana de novidades nos videojogos.

Segundo um relatório da ONU, as novas tecnologias podem melhorar a vida das pessoas, mas também podem promover maior desigualdade social.

Ler Mais
Opinião (Subcomissário Bruno Branco): “A PSP/COMETLIS e a Defesa dos Animais”.
Out10

Opinião (Subcomissário Bruno Branco): “A PSP/COMETLIS e a Defesa dos Animais”.

Ao longo dos anos, a Polícia de Segurança Pública, e, particularmente, o Comando Metropolitano de Lisboa (COMETLIS), tem acompanhado a crescente preocupação da sociedade no que aos direitos dos animais diz respeito, mantendo-se ativa enquanto entidade responsável pelo cumprimento rigoroso dos normativos legais existentes de protecção animal.   

Ler Mais
Opinião (José Lúcio/ Juiz): Tribunais, equívocos e ilusões.
Out05

Opinião (José Lúcio/ Juiz): Tribunais, equívocos e ilusões.

Há uns anos em luzida conferência na Gulbenkian uns economistas certamente muito doutos tentavam demonstrar à plateia, com quadros, gráficos e cálculos que esmagavam qualquer incrédulo, que caso os tribunais funcionassem com eficiência no processamento de toda a massa de execuções pendentes isso arrastaria um impulso no PIB de cerca de 1 % (um por cento).

Ler Mais