Your SEO optimized title

Proteção Civil: Inspeção Geral da Educação (IGEC) investiga licenciaturas no IPBeja.

A partir desta segunda-feira, uma equipa de inspetores Inspeção Geral da Educação (IGEC)  vai instalar-se no Politécnico de Beja para passarem a pente fino todas as licenciaturas em Proteção Civil.

Segundo o jornal i, a revelação foi feita na passada sexta-feira pelo eleito presidente daquela instituição de ensino superior, João Paulo Trindade. “A inspeção acabou de me ligar a informar que o ministro os enviou para cá a partir de segunda-feira”, disse ao i João Paulo Trindade.

Foi depois de saber que o ex-comandante nacional da Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto – atual comandante operacional distrital do Algarve – concluiu a licenciatura tendo frequentado apenas três disciplinas que Manuel Heitor decidiu agir.

De acordo com o Politécnico de Beja, Vítor Vaz Pinto concluiu a sua licenciatura em Proteção Civil depois de lhe terem sido atribuídas equivalências a “31 das 34 disciplinas do curso”. E destas equivalências, “17 foram por experiência profissional”, as restantes foram por “cursos de formação pós-secundária”, a que se somam outras por ter frequentado “um curso na Universidade Independente”, como é o caso de Educação Ambiental. O comandante distrital do Algarve frequentou a instituição desde o ano letivo 2007/2008 e terminou o curso “em fevereiro de 2009”, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão, disse ainda ao i o presidente do Politécnico de Beja.

Os dados foram suficientes para levantar suspeitas sobre a regularidade da licenciatura que será agora analisada pela Inspeção Geral da Educação. E, à semelhança do que aconteceu no caso Lusófona e no Politécnico de Castelo Branco, deverão passar pelo crivo da Inspeção todos os processos académicos que envolveram a atribuição de equivalências no curso de Proteção Civil do Politécnico de Beja.

Ao i, João Paulo Trindade lembrou que, à data da licenciatura de Vaz Pinto, a lei permitia que as escolas dos politécnicos tivessem autonomia para decidir sobre as licenciaturas. “Os presidentes não sabiam de nada, não passavam por eles e só há poucos anos é que essa informação é centralizada”, frisa.

De acordo com o despacho de nomeação de Vaz Pinto, o comandante tem funções de dirigente na Proteção Civil desde 2004. Foi assessor do ministro da Administração Interna, António Figueiredo Lopes, durante sete meses no governo de Durão Barroso. Mais tarde, entre 9 de março de 2011 e dezembro de 2012, assumiu o comando nacional das operações de socorro – as mesmas funções que o ex-comandante Rui Esteves – substituindo, na altura, Gil Martins que foi suspenso pelo MAI depois de se saber que estava a ser investigado pelo Ministério Público por desvio de verbas, acabando mesmo por ser condenado a quatro anos e seis meses com pena suspensa.

Teixeira Correia

(jornalista)

Nota da Redação: João Paulo Trindade foi eleito presidente do IPBeja, em 15 de maio de 2017, data em que processo foi enviado para o Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), para ser homologado por Manuel Heitor. Porque houve um recurso relativamente há eleição de João Paulo Trindade, falta a homologação do MCTES, para que o docente da ESTIG possa tomar posse.

Crédito da foto: Eduardo Martins

Share This Post On