Mértola: Autarquia melhora posição no Anuário Financeiro dos Municípios. Há outros dados.

A Câmara Municipal de Mértola está classificada, no ranking global dos municípios de pequena dimensão, em 13.º lugar e segundo no distrito de Beja. Confira dados de Municípios sobre IMI e vencimentos de trabalhadores.

A edilidade da “Vila Museu” revelou que no Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses (AFMP) , está classificada, no ranking global dos municípios de pequena dimensão, em 13.º lugar e no ranking do distrito de Beja em segundo lugar, logo depois de Alvito que ocupa a 7ª posição. Mértola subiu 30 lugares relativamente a 2015, enquanto que Alvito manteve a mesma posição. Nos cinquenta primeiros não existem outros municípios do distrito.

De acordo com a edilidade mertolense, os resultados obtidos são uma recompensa pelo rigor, gestão criteriosa e melhoria constante como prova o facto de ter conseguido subir vinte posições no ranking global relativamente ao ano anterior.

No ranking global dos municípios de média dimensão (Beja e Odemira), não há nenhum do distrito de Beja nos trinta primeiros.

No resumo administrativo publicado pelo AFMP, o distrito de Beja tem dois Municípios de média dimensão e os restantes doze são de pequena dimensão.

Municípios que diminuíram a taxa de IMI aplicada em 2016 e o montante de IMI cobrado.

Vidigueira é o terceiro Município do País e o primeiro do Distrito neste item. Em 2014 a edilidade cobrou pouco mais que 439 mil euros, resultante da aplicação da taxa de 0,40% sobre prédios urbanos e um pouco menos de 359 mil euros, resultante da redução da taxa para 0,35%, uma variação de manos 18,3%.

Mértola aparece no 12º lugar com uma cobrança que caiu 13,3%, em face da passagem de 0,40 para o,38% de taxa de IMI, tendo cobrado em 2015 pouco mais de 432 mil euros. Odemira surge na 24ª posição, com uma quebra de 7,5%, com uma receita um pouco superior a 3 milhões de euros, tendo cobrado o ano passado 0,33% de imposto. Quatro lugares abaixo, surge Serpa, com uma quebra de 14,6%, tendo encaixado uma verba superior a 805 mil euros, com uma cobrança de IMI de 0,34%.

Municípios que apresentam maior peso entre vencimentos de trabalhos e despesas gerais.

Na totalidade de despesas dos Municípios, Barrancos é aquele que no distrito de Beja os vencimentos dos trabalhadores mais pesam no total de despesas da autarquia, e o quarto em Portugal, segundo os dados divulgados pelo Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses, relativos ao ano de 2016.

Os custos equivalem a 50,30 % das despesas da edilidade. A situação já foi mais dramática em termos de empregabilidade local, quando em 2006, a autarquia suportava 57,1% em vencimentos nas despesas totais da câmara.

Ferreira do Alentejo surge no 7º lugar do ranking com 47,2%, Alvito no 9º lugar com 46,9% e Ourique no 11º com 44,7%. A autarquia portuguesa cujos vencimentos mais pesam no total das despesas, é a de Mourão com 52,3%. No polo aposto a que menos gasta com vencimentos, é Alfandega da Fê com 10,9%, não existindo nenhuma autarquia do distrito de Beja, nas 35 menos gastadoras. Alandroal, com 15,3% surge no 4º lugar.

Barrancos é o 26º Município que menos gastou com despesas com o pessoal em 2016. Gastou 1,821 milhões, com os 90 trabalhadores, menos 1,4% do que gastou em 2015.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo