Justiça: MP do DIAP de Évora arrestou cerca de 7,5 milhões de euros a rede de tráfico de pessoas.

Ministério Público do DIAP de Évora acusou seis cidadãos romenos, integrantes de uma rede de tráfico de pessoas. Foram arrestados cerca de 7,5 milhões de euros.

O Ministério Público (MP) do DIAP de Évora, que titulou o processo, arrestou cerca de 7,5 milhões de euros a uma rede de tráfico de pessoas, com idades compreendidas entre os 22 e os 47 anos, que atuava no distrito de Beja, a quem acusou de cento e dezanove crimes (ver caixa) de diversa índole e gravidade.

Dois dias depois da detenção foi congelada uma conta bancária no valor de 135.000 euros, pertencente a Florin, tido como o cabecilha da rede.

As detenções ocorreram na sequência da operação “Masline” (azeitona em romeno), desencadeada em 18 de dezembro de 2018, pela Direção Central de Investigação (DCI) do Serviço de Estrangeiros Fronteiras (SEF). A rede era composta por seis cidadãos romenos, cinco homens, que se encontram em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Beja, e uma mulher, que está agora sujeita à medida de obrigação de permanência na habitação com vigilância eletrónica.

De acordo com um comunicado do PM, os factos ocorreram desde o ano de 2013, “incidindo a atividade ilícita na exploração laboral de várias dezenas de cidadãos estrangeiros, em situação ilegal em Portugal”, acrescentando que os mesmos “eram utilizados em tarefas agrícolas no Alentejo”, em condições muito precárias.

Segundo o documento, durante o inquérito “foi feita a liquidação com vista à perda a favor do Estado, de 7.463.868,40 euros, resultante da atividade criminosa”, justifica o MP.

A operação “Masline”, foi a maior realizada pelo SEF no combate ao tráfico de seres humanos, foi desencadeada nas zonas de Beja, Ferreira do Alentejo e Montes Velhos (Aljustrel), envolveu 141 operacionais, e deu cumprimento a 6 mandados de detenção, 8 de busca domiciliária, 2 de busca a escritório e 12 para apreensão de viaturas, na sua maioria ligeiros de passageiros, topo de gama.

No dia da operação, 255 cidadãos romenos e moldavos, foram levados para as instalações do Regimento de Infantaria 1, em Beja, onde foram identificados como sendo explorados pela rede, tendo 24 prestado declarações para memória futura no DIAP.

Crimes

A rede está acusada de 58 crimes de tráfico de pessoas, 1 crime de associação criminosa, 58 crimes de auxílio à imigração ilegal, 1 crime de associação de auxílio a imigração ilegal, para além de 1 crime de introdução fraudulenta no consumo qualificado.

Concentração de solidariedade

Enquanto os seis arguidos prestavam declarações, cerca de duas centenas de romenos e moldavos compareceram junto ao DIAP, numa “manifestação espontânea” de solidariedade para com Florin, um dos detidos e tido pelo SEF, como o cérebro da organização, que consideravam como “um bom patrão”.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo