Cuba: “Revolta silenciosa” em Vila Alva, no funeral do bombeiro Carlos Carvalho.

Foi o quarto bombeiro que morreu em julho em combate a incêndios. Percebeu-se a “revolta silenciosa” em Vila Alva, no funeral de Carlos Carvalho. “Solidariedade não equipa bombeiros”.

A aldeia de Vila Alva, célebre pelos seus vinhos novos de talha, com cerca de 400 habitantes, foi pequeníssima para acolher centenas de pessoas que quiseram prestar a última homenagem a Carlos Carvalho, o operacional dos Bombeiros Voluntários de Cuba (BVC), falecido na quinta-feira na sequências das graves queimaduras que sofreu em todo o corpo, quando combatia um incêndio no passado dia 13 de julho, em Castro Verde.

O Presidente da República, o Ministro da Administração Interna, o comandante Operacional da ANEPC, presidente da Liga de Bombeiros, os comandantes e diversos elementos das 15 corporações do distrito, além de centenas de cidadãos da terra e anónimos disseram “presente” no último adeus a um jovem de 40 anos, que era “o grande amparo e auxílio da mãe”.

Apesar do braseiro de 40 graus que se faziam sentir em Vila Alva, ninguém ficou indiferente à dor da família de Carlos e aguentarem estoicamente no exterior da casa mortuária e acompanharam pelas ruas da aldeia o cortejo fúnebre, com o corpo do malogrado bombeiro a ser transportado em cima de uma viatura da corporação que servia.

A presença de Marcelo Rebelo de Sousa e de Eduardo Cabrita, que chegaram e partiram em silêncio, foi sentida como um gesto de solidariedade e de apoio para com a família do bombeiro, deixa o mais importante para trás subjacente à falta de material e equipamentos com as corporações se debatem e como dizia um respeitável senhor na sombra do jardim: “agora são sopas depois de almoço”.

Carlos Carvalho estava internado na Unidade de Queimados do Hospital de São José, em Lisboa, desde o dia do incêndio em estado que foi sempre considerado como “muito grave”, uma vez que apresentava queimaduras em 95% do corpo, nunca tendo saído do coma. A lutar pela vida continua Carlos Heleno, 29 anos, o outro operacional dos BVC, que apresenta uma situação mais favorável já que tem o corpo menos queimado.

Ao grito emocionado de José Galinha, comandante do Corpo de Bombeiros de Cuba, “Carlos Carvalho … presente”, topou-se a campa e fechou o ciclo de vida de mais um operacional dos bombeiros, o quarto que morreu durante o passado mês de julho, no combate a incêndios.

Lamentos de uma vida perdida

Aqui e ali as pessoas de Vila Alva aceitavam falar mas sem querer ser identificas e uma vizinha disse ao JN: “é difícil descrever uma pessoa depois de morrer. O Carlos era uma pessoa boa, não foi preciso morrer. Era o melhor amigo da Fernanda (a mãe). Vai ficar a fazer-lhe muita falta. Depois de uma queda de um andaime na construção civil há cerca de seis anos, decidiu ir para os bombeiros para ajudar os outros”.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo