Bombeiros: Ministério da Administração Interna abre inquérito ao fogo de Castro Verde.

O ministro da Administração Interna determinou a abertura de um inquérito ao incêndio florestal que deflagrou na segunda-feira em Castro Verde e em que cinco bombeiros ficaram feridos, dois deles com gravidade.

Fonte oficial do Ministério da Administração Interna disse à agência Lusa que Eduardo Cabrita pediu o inquérito à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Durante o combate às chamas do incêndio que ocorreu na segunda-feira em Castro Verde, distrito de Beja, dois bombeiros, Carlos Carvalho, de 40 anos (na foto), o ferido considerado em estado mais grave e, Carlos Heleno, de 29 anos, ficaram feridos com gravidade, ambos da corporação de Cuba, e foram transportados de helicóptero para os hospitais de Santa Maria e São José, em Lisboa, tendo sofrido queimaduras. Os dois operacionais estão em coma induzido, sendo as 72 horas seguintes ao acidente decisivas para a sobrevivência dos feridos.

Os outros três bombeiros, que sofreram ferimentos ligeiros, um da corporação de Ferreira do Alentejo, outro da corporação de Alvito e terceiro da corporação de Castro Verde, foram assistidos no local.

Liga dos Bombeiros pede inquérito

A Liga dos Bombeiros Portugueses pediu esta terça-feira à tutela para abrir um inquérito ao acidente que provocou queimaduras a dois bombeiros, um deles está em estado grave, durante o combate a um incêndio em Castro Verde, Beja.

Em comunicado, a Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) refere que dois bombeiros sofreram queimaduras no incêndio rural que ocorreu na segunda-feira, em Castro Verde, e um deles tem mais de 70% do corpo queimado.

“Presumivelmente o equipamento de proteção individual (EPI) não terá cumprido a missão de proteção aos bombeiros, pelo que a LBP já solicitou ao Ministro da Administração Interna que seja aberto um rigoroso inquérito a este acidente e que o EPI seja enviado para o CITEVE (laboratório da especialidade), para a devida análise técnica”, sublinha a Liga.

Mais de dois mil hectares ardidos

O incêndio agrícola que deflagrou na segunda-feira no concelho de Castro Verde (Beja) e dominado na madrugada de ontem devastou uma área estimada em mais de dois mil hectares, disse o comandante dos bombeiros locais.

Vítor Antunes adiantou à Lusa que o incêndio destruiu uma área de pasto, seara e mato, ficou dominado às 02.22 e estava durante a manhã em fase de rescaldo.

O incêndio chegou a mobilizar 165 operacionais, com o apoio de 60 veículos. Durante a tarde de segunda-feira estiveram também envolvidos três meios aéreos no combate.

A Estrada Nacional 2 foi cortada ao trânsito entre Castro Verde e a localidade de Carregueiro e o Itinerário Principal 2 entre a povoação de Entradas e Castro Verde, tendo ambas sido reabertas ao trânsito na segunda-feira à noite, indicou fonte da GNR.

O alerta foi dado às 17.07 de segunda-feira, tendo o fogo de “grandes dimensões” deflagrado em Lagoa da Mó, concelho de Castro Verde, referiu o Comando Distrital de Operações de Socorro de Beja.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo