Beja: Jovens da Casa Pia não foram julgados por desistência de queixas.

Os jovens da Casa Pia de Beja (CPB) acusados de dois crimes de furtos, um dos quais qualificado, não foram julgados em virtude das vítimas terem desistido das queixas.

O Conselho Diretivo da Escola Mário Beirão e a diretora técnica da Casa Pia, desistiram das queixas contra dois jovens institucionalizados no último dos estabelecimentos (CPB), que estacam acusados de dois crimes de furto.

Após o início do julgamento as vítimas revelaram a intenção de não continuar com o procedimento criminal contra os arguidos, e com a anuência destes o processo foi dado como encerrado.

P.M. e F.S., ambos com 17 anos, estavam acusados de em co-autoria terem cometido um crime de furto e outro de furto qualificado, ambos ocorridos no início de dezembro de 2018.

No primeiro furto pelo qual são julgados, os dois jovens introduziram-se no gabinete da diretora técnica da Casa Pia utilizando uma janela do edifício que previamente deixaram aberta e de uma gaveta da secretária da responsável levaram 200 euros, que não foram recuperados.

O outro crime ocorreu na Escola Mário Beirão, também em Beja, forcaram janelas do pavilhão desportivo e do bar do estabelecimento de ensino e furtaram diversos sumos e chocolates, avaliados em 165 uros.

Os dois arguidos já foram julgados em junho passado e têm mais dois processos em fase de inquérito pelo tipo de crime, todos estes cometidos no decurso do corrente ano.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo