Beja: Empresa de construção retirou sinalização rodoviária e incorre em várias coimas.

Sinalização de trânsito vertical retirada ou encoberta, placas indicativas direção de localidades retiras e colocação de vedação em cima da via, são algumas da irregularidades cometidas.

A Plusinversion, SA, empresa com sede em Marvila (Lisboa), que está construir a superfície comercial no terreno entre a EN260, ligação a Serpa e a Estrada Municipal, conhecida como “Estrada das Apolinárias”, que liga a Baleizão, cometeu diversos atropelos que lhe podem valer a aplicação de diversas coimas.

A revolta dos moradores dos diversos aglomerados populacionais servidos pela “Estrada das Apolinárias” pôde ser comprovada no local, onde entre outras irregularidades se comprova a retirada de sinalização vertical, nomeadamente de fim de proibição de ultrapassar, aproximação de estrada com prioridade e stop.

Dentro da vedação, que foi construída junto ao piso betuminoso, “roubando” as bermas e ao que foi possível apurar não está de acordo com o regulamentado em relação ao eixo da via, há também um sinal vertical de fim de proibição de ultrapassar e uma placa da EDIA, empresa responsável pelo alcatroamento da via.

As placas indicativas direção de localidades que se encontravam à entrada do troço no sentido Beja-Baleizão foram também retiradas.

O caso já chegou ao conhecimento do Comando Territorial de Beja da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Câmara Municipal de Beja (CMB). Segundo foi possível apurar a GNR já se deslocou ao local e detetou as irregularidades, tendo já enviado um relatório para a autarquia onde refere as mesmas, apontando as coimas a que a empresa pode ser sujeita pela autarquia.

No início da semana passada um dos camiões que faz o transporte de terras da obra para um aterro, colidiu com os cabos aéreos, tendo arranca quatro postes em madeira e derrubado um candeeiro metálico da via que ainda não foi reposto.

Segundo o aviso colocado na obra, refere que o titular do alvará da obra, emitido pela CMB em 9 de outubro de 2017, é a Plusinversion, descreve que a construção urbanística é Continente, com uma área total de construção de 5.815,6 m2, com a altura da fachada do edifício a ter 6,30 metros com um único piso acima da cota de soleira, não estando licenciado qualquer piso subterrâneo.

O Lidador Notícias aguarda uma resposta da autarquia às questões colocadas a propósito das irregularidades detetadas.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On