Beja: Cimeira de Exportadores da CPLP, realizada em 2018 ainda com débitos por liquidar.

A União de Exportadores da CPLP, realizou em julho em 2018 uma Cimeira de Negócios. Ainda com débitos por liquidar. Empresa de Beja moveu uma ação judicial para cobrar 15.642,82 euros. A UE-CPLP não esclareceu qual o papel de Mário Simões Coordenador na região em todo o processo.

Entre 6 e 9 de julho de 2018, realizou-se em Beja, a Cimeira de Negócios da União de Exportadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (UE-CPLP), apresentado como por Mário Costa (na foto), o seu presidente, como “um evento de referência mundial”, que contou com a presença de Aristides Gomes, 1º ministro da Guiné-Bissau.

Volvido mais de um ano sobre a iniciativa ainda há contas por saldar a empresários locais, tendo já dado entrada de um processo judicial de injunção (55072/19.4YIPRT), no Juízo Local Cível do Tribunal da Comarca de Beja.

A Enthusiastic Planet, Produções Unipessoal, Lda, com sede em Penedo Gordo, concelho de Beja, reclama da UE-CPLP a quantia de 15.642,82 euros, relativo à montagem de stands e promoção do vento, da qual a UE já liquidou parte. Outra empresa de Beja, a Amasing Options, Investimentos Turísticos, Unipessoal Lda, responsável pelo catering e transferes de participantes na Cimeira, tinha ainda a receber 1.674,15 euros. Na passada semana e após os contatos do Lidador Notícias (LN) com a empresa e a União de Exportadores, esta segundo o seu gerente “liquidou a ver em dívida”, justificou.

Um representante da Enthusiastic Planet, referiu que “o processo deu entrada no Tribunal da Comarca do Porto, mas a instituições não tem recebido qualquer das notificações judiciais”, afirmando desconhecer se existe alguém na sede da UE-CPLP e, Celorico de Basto.

Também uma unidade hoteleira da cidade tinha um valor superior a 3.000 euros para receber, que passados mais de seis meses da realização do evento viria a ser liquidado por uma agência de viagens.

Contatado pelo LN, Mário Costa, o presidente da UE-CPLP e também da Assembleia-Geral da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, remeteu para a advogada Ana Rita Cardoso, a resposta às questões a colocar, por mail, sobre as contas por saldar.

Quando confrontada sobre a confirmação dos débitos, a causídica começa por responder que “a EU-CPLP não reconhece a existência de qualquer dívida proveniente da Cimeira”, justificando no entanto que as empresas participantes “sempre estiveram ao corrente dos termos legais de contratação, nomeadamente dos prazos de pagamentos constantes dos cadernos de encargos”, rematou.

Sobre a injunção interposta pela Enthusiastic Planet, Ana Cardoso afirma que “não tem conhecimento da mesma” e que caso a UE-CPLP seja notificada “em sede própria se irá contestar a mesma”, a instituição sempre honrou os seus compromissos. Sobre o débito à Amazing Options, não foi feita qualquer referência.

Quando questionada sobre as razões dos atrasos e quando e como pensam liquidar os débitos, a advogada não faz quaisquer referências às verbas já recebidas da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCRDA).

Fonte da CCDRA revelou ao LN que a empresa “recebeu parte da verba atribuída e da mesma não fez comprovativo documental, pelo que a restante verba está bloqueada”, o que inviabiliza os fornecedores de serem ressarcidos dos serviços prestados.

O LN quis saber qual o papel desempenhado por Mário Simões, Coordenador do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral da UE-CPLP e antigo deputado na Assembleia da República, no contato com os empresários locais para as prestações de serviços, mas Ana Rita Cardoso voltou a não prestar qualquer esclarecimento.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo