Beja: Cidadão moldavo, em preventiva, julgado por violar a filha e agredir filho.

Violou, ofendeu e coagiu a filha e ofendeu o filho. O indivíduo, que está em prisão preventiva, começa hoje a ser julgado no Tribunal de Beja.

Um cidadão moldavo de 43 anos, começa hoje a ser julgado no Juízo Criminal de Beja, por dois crimes de violação agravada, dois crimes de ofensa à integridade física qualificada, dois crimes de ameaça agravada e dois crimes de coação, perpetrados contra os dois filhos, uma rapariga e um rapaz, ambos de 18 anos.

Ivan M., que se encontra em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Beja, chegou a Baleizão, concelho de Beja, no dia 6 de novembro de 2018, com os dois filhos para trabalhar na agricultura, passando a viver numa casa com mais 14 pessoas moldavas.

Nesse mesmo dia deixou o filho num café da aldeia, levou a filha para a habitação e na casa de banho violo-a. Dez dias depois, cerca das 23,00 horas e com os outros residentes deitados, voltou a levar a rapariga para a casa de banho onde a violou de novo. Foi o filho que bateu à porta e gritou ao pai para parar.

Na tarde de 18 de novembro, o filho, o patrão/angariador de origem romena e outros moldavos que viviam na mesma habitação, pegaram no indivíduo deslocaram-se ao Posto e Destacamento do Comando de Beja da GNR, onde o entregaram e formalizaram a queixa. Depois de averiguar os contornos do caso, a GNR fez uma participação à Polícia Judiciária (PJ) que no dia seguinte deteve o suspeito.

Aquando da detenção, a PJ revelou que “a rapariga foi violada de forma reiterada pelo seu progenitor”, já que ambos coabitavam no mesmo espaço, um quarto de uma habitação, na aldeia alentejana.

De acordo com o despacho de acusação do MP, a que o Lidador Notícias (LN) teve acesso, a partir de março de 2018, Ivan M., solteiro, começou a viver com os filhos na Moldávia, depois da mãe destes se ter ausentado para Itália e partir dessa datada começou a abusar da filha.

Numa das vezes, o rapaz chegou a casa e no quarto deparou-se com o pai, todo nu, a manter relações com a irmã, contra a vontade desta. Não satisfeito, o indivíduo agrediu o filho e ameaçou que lhe cortava o pescoço se contasse a alguém. A mesma situação passou-se em Baleizão antes de ter sido denunciado e entregue à GNR.

Ivan M., é magro e de baixa estatura, e foi descrito por uma fonte no Estabelecimento Prisional de Beja como “uma fraca figura”, e começa a ser julgado perante um Tribunal Coletivo, arriscando uma pena de prisão superior a cinco anos.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo