Beja: Cavalo à solta no IP2 destrói frente do carro do juiz José Lúcio.

Cavalo à solta na estrada provoca acidente com carro de juiz. Outro condutor envolvido com um segundo animal. Não foram identificados os proprietários dos animais.

O juiz presidente da Comarca de Beja e o condutor de outra viatura, saíram ilesos, na noite de quinta-feira, de dois violentos embates contra dois cavalos. Os animais vagueavam à solta no Itinerário Principal (IP) 2, no troço entre Beja e Évora, próximo da rotunda da Base Aérea 11.

Os acidentes ocorreram cerca das 21,54 horas, quase em simultâneo, no sentido sul/ norte, a cerca de 1 quilómetro, da capital baixo-alentejana, tendo a viatura de José Lúcio, emante no primeiro cavalo que teve morte imediata e instantes depois outro animal foi atingido pela segunda viatura, sofrendo fratura de uma das patas, tendo sido depois abatido no local pelo veterinário municipal.

Militares do Destacamento de Trânsito de Beja (DTBeja) da GNR foram chamados ao local, tendo identificado um individuo que assumiu a propriedade de um terceiro animal, que tinha ship, mas negou a propriedade dos outros dois que estiveram envolvidos no acidente. O Alferes Pinto, do DTBeja, confirmou “os dois acidentes, envolvendo duas viaturas, num curto espaço de tempo. Vai ser feita uma participação e tentar apurar quem é o proprietário dos animais”, rematou.

O juiz José Lúcio, que todos os dias utiliza o IP2 para fazer o trajeto entre Évora e Beja, disse ao JN que “o animal saiu repentinamente do lado direito e nada havia a fazer. Agora ? Participei à companhia, porque tenho um seguro contra todos os riscos, caso contrário pagava do meu bolso”, justificou.

O magistrado acrescentou que “podia colocar um processo contra o indivíduo identificado e pedir uma indemnização cível. Não tem seguro e mesmo que fosse condenado, não tendo bens em seu nome, nada recebia”, rematou.

Outros casos em Beja

Em outubro de 2014, na EN 260, na ligação Beja/ Serpa, a cerca de 1,5 quilómetros do local dos acidentes do IP2, uma carrinha de empresa de panificação ficou destruída e inoperacional depois de ter chocado contra três cavalos que andavam na estrada e tiveram morte imediata.

Em novembro de 2017, também na EN 260, quase no mesmo local, uma segunda carrinha da mesma empresa, matou um burro, tendo a frente da viatura ficado totalmente destruída e sem qualquer possibilidade de recuperação.

Os quatro animais não tinham ships de identificação e os donos nunca foram localizados.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On