Beja: Antigo distribuidor “senta” Central de Cervejas no banco dos réus.

A empresa distribuidora de bebidas Candeias e Filho, Lda, exigem à Central de Cervejas 2,8 milhões de euros de indemnização. Outro distribuidor, Carlos Romeiro, Lda aguarda decisão judicial.

No Tribunal de Beja começou a ser julgado o processo em que a empresa Candeias & Filho Lda, com sede em Boavista dos Pinheiros, concelho de Odemira, exige em tribunal à Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) uma indemnização de 2,8 milhões de euros, por prejuízos causados ao cessar unilateralmente contratos de distribuição.

Por outro lado, no mesmo tribunal, aguarda-se a decisão judicial quanto ao processo que opõe a empresa Carlos Romeiro, Lda, com sede em Vila Nova de São Bento, concelho de Serpa, onde esta, pelas mesmas razões pede uma indemnização de 1.3 milhões de euros.

As duas empresas foram distribuidores independentes oficiais exclusivos de bebidas da SCC durante 18 anos, a Carlos Romeiro, Lda. entre 1999 e abril de 2017, nos concelhos de Serpa, Moura, Barrancos e Mértola, e a Candeias & Filho, Lda. entre 1999 e março de 2017, nos concelhos de Odemira, Ourique e Almodôvar, no distrito de Beja.

A SCC informou que iria terminar os contratos com distribuidores independentes e passar a fazer a distribuição das suas bebidas diretamente, através da sua nova empresa Novadis (na foto o armazém de Beja).

A cervejeira informou a Candeias & Filho, Lda. sobre a cessão unilateral do contrato em dezembro de 2016, deu-lhe um prazo de três meses e tirou-lhe a distribuição em março de 2017, enquanto que a informação à Carlos Romeiro, Lda. sobre a cessão unilateral do contrato ocorreu em janeiro, deu-lhe um prazo de três meses e tirou-lhe a distribuição em abril de 2017.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo