Agricultura: Nunca se produziu tanto azeite em Portugal.

O país deverá superar as 120 mil toneladas e fixar um marco histórico, equiparável ao de 1953, mas não é esperada uma descida acentuada no preço.

A produção nacional de azeite deverá ultrapassar este ano as 120 mil toneladas e tornar-se numa campanha histórica, muito idêntica à ocorrida há 64 anos, quando se apuraram 121,8 mil toneladas, o maior valor desde que há registos, iniciados na década de 40.

De acordo com o site “Dinheiro Vivo, publicação da Global Media Group, é assim atingida com três anos de antecedência a meta das 120 mil toneladas que a Casa do Azeite tinha estabelecido para 2020. A partir desse ano, a organização do setor estima que as produções médias nacionais possam chegar às 130/140 mil toneladas por ano.

Não é apenas uma questão de peso. O Sistema de Informação de Mercados Agrícolas (SIMA) considera a campanha que está agora a terminar como “excecional” também pelo rendimento em gordura da azeitona, isto é, com a mesma quantidade de azeitonas obteve-se maior quantidade de azeite do que o normal, especifica a Casa do Azeite. Como resultado, a produção tem menos acidez e é quase toda classificada como “virgem extra”, completa o SIMA.

Para o recorde de produção terão contribuído as condições climatéricas da primavera, que originaram elevada floração e garantiram o vingamento dos frutos, bem como o tempo seco e quente no final do ciclo, que travou a propagação de doenças. Mariana Matos, secretária-geral da Casa do Azeite, acrescenta o facto de a produção ser marcada por anos de safra, como foi o de 2017, com anos contrassafra, como a anterior. O aumento de área de olival foi outro motivo incontornável, em especial no Alentejo, que é, pelo menos, desde 2007, a maior região produtora de azeite do país, muito por força do Alqueva. Numa década (2006-2016), a produção alentejana triplicou, continuando Trás-os-Montes com a segunda posição.

Efeitos no preço?

Apesar da excecionalidade, Portugal deverá ser o nono maior produtor mundial de azeite, com 2,7% da produção, segundo o Conselho Oleícola Internacional (COI). Em 2015, por exemplo, estava melhor contado, na oitava posição, embora com igual percentagem no contributo produtivo.

Um dos impactos da boa campanha já se terá traduzido no aumento do rendimento dos produtores, tendo em conta a subida do preço pago pelo azeite virgem extra, no ano passado, num valor médio de 3,81€ por quilo, mais 15% face a 2015, por exemplo.

No mercado, o SIMA observou que, nas transações a granel, no início de março, o azeite virgem extra vendido em garrafões de cinco litros chegou aos 5,10€ por litro, em Trás-os-Montes. Já o azeite biológico do Alentejo estava nos 10€ por litro.

Quanto ao impacto no preço ao consumidor final, a Casa do Azeite admite que “poderá haver alguma correção, mas enquanto os stocks mundiais se encontrarem nos níveis baixos atuais, não é expectável uma descida acentuada dos preços”.

Pouco no prato

Só que o frenesim da produção ainda não contagiou os hábitos os portugueses. O consumo de azeite em Portugal tem-se mantido estável, nos 7,1 quilos por habitante e por ano, segundo o Instituto Nacional de Estatística, e só surge em décimo lugar do consumo mundial, com uma fatia de 2,4%.

Os produtores viram-se, portanto, para a exportação. Mais do que um aumento nas quantidades exportadas, o que tem sido significativo são os valores alcançados nas vendas ao exterior, que têm vindo a crescer de forma consistente, pelo menos, desde 2006, apenas com dois anos de quebra nesse intervalo, para chegar a 2017 com o valor mais alto desse período, de 510,4 milhões de euros, estima do Eurostat.

No ano passado, chegou mesmo a acontecer exportarmos menos para Espanha e Itália, mas a ganharmos mais dinheiro, com uma subida de 41,6% nas vendas para Espanha e mais 19% para Itália, sendo o país vizinho o nosso principal destino, seguido do Brasil, Itália, Angola, Polónia e França, um ranking diferente do de dois anos antes, quando Angola ocupava o primeiro lugar e Espanha o terceiro.

De acordo com o COI, Portugal terá chegado a 2017 como quinto maior exportador mundial, no comércio extracomunitário, com 4,4% do mercado. Em 2015, ocupava o quarto lugar.

Para satisfazer o crescimento das exportações, o país também tem recorrido à importação. Com oscilações, em 10 anos, estas passaram de 70 mil toneladas, por 228 milhões de euros, para 101 mil toneladas, em 2017, por 359 milhões.

Boa produtividade

No maior produtor nacional de azeite, o Grupo Sovena, detentor da maior área produtiva no Alqueva e de um dos maiores lagares de azeite do mundo, a produção em Portugal, através da sua participada Elaia, atingiu 120 mil toneladas de azeitona (a quantidade de azeite não foi revelada).

“Foi um ano de muito boa produtividade, graças à disponibilidade de água e às boas práticas que são também responsáveis pela boa qualidade do produto final”, comentou Luís Folque, administrador da empresa. “O crescimento da produção própria da Sovena é algo que deve continuar pois ainda há áreas novas a entrar em produção”.

Reconhece que Portugal foi, em 2017, um dos países com melhor produtividade a nível mundial, a par da Itália, Tunísia e Turquia.

Share This Post On