A26: Troço sem acesso ao IC1 no sentido sul/ norte.

Abertura de troço da A26 deixa proprietários de cafés preocupados. Os automobilistas que circularem no sentido sul (Beja)/ norte (Lisboa) não podem aceder ao IC 1. Têm que entrar obrigatoriamente na A2.

“Desinformados, Desapoiados e Desiludidos”, é como se sentem dos dois cafés de Santa Margarida do Sado localizados junto à EN259, rodovia que atravessa a localidade, no “day after” (dia seguinte) da abertura do troço da A26.

António Trindade e Paula Cristina, alegam que a Câmara Municipal de Ferreira do Alentejo e a Junta de Freguesia de Figueira de Cavaleiros “não nos informaram que a A26 abria no final da tarde de sexta-feira” acrescentando que se “não pagar é bom. Mas afasta ainda mais os automobilistas”, temendo pelo futuro dos seus negócios.

Luís Pita Ameixa, presidente da edilidade de Ferreira do Alentejo, referiu que “fizemos um comunicado público e reunimos com a junta na quinta-feira. Durante a próxima semana vamos falar com os empresários. Preocupa-nos o futuro dos seus negócios”, rematou.

Mas também os automobilistas foram apanhados de surpresa pela abertura da via, “por falta de informação pública e sinalização mais objetiva informativa no acesso”, revelou ao Lidador Notícias (LN), José Maria, residente na Charneca da Caparica, que precedia de Serpa e utiliza a A2. “Autoestrada sem ser paga em Portugal? Você deve estar a brincar”, disse incrédulo o automobilista.

O troço de 13 quilómetros custou mais de cinquenta milhões de euros e esteve fechado durante quase três anos e liga a rotunda da Malhada Velha, a norte de Figueira de Cavaleiros, ao nó da A2 de Grândola Sul e não é portajado. No entanto, quem segue no sentido sul/norte (Beja/Lisboa) não tem acesso ao IC1 e obrigatoriamente tem que entrar na A2, podendo sair em Grândola Norte ou Aljustrel, percorrendo 17 quilómetros com um custo de 1,45 euros.

Dez anos mediaram entre o anúncio, pelo Governo de José Sócrates, sobre a construção da ligação rodoviária entre Sines e Beja, com perfil de autoestrada e portagens e a aberta do troça da A26. Em 2011, o secretário de Estado das Obras Públicas, Sérgio Monteiro, do Executivo liderado por Passos Coelho anunciou a suspensão dos trabalhos “por dificuldades do concessionário a que o Governo era alheio”. Ainda no reinado do PSD foi decidido construir o atual troço, cujas obras sofreram nova paragem, sendo depois concluído no primeiro mandato de António Costa.

Pelo caminho ficam muitas polémicas, como a falta de acordo entre o Governo e a concessionária Brisa para dar a obra como concluída, furtos de um trator e gasóleo no valor de quase 105.000 euros dos estaleiros da obra e a morte de um trabalhador de 54 anos, em 20 de agosto de 2015, depois de ter sido esmagado por uma retroescavadora.

Às 20,00 horas de sexta-feira, sem qualquer cerimónia pública, o troço da A26 onde se podia ler a frase “usem-me PORRA”, foi finalmente aberto ao tráfego automóvel.

Estatística Lidador Notícias (LN)

Ontem entre as 11 e as 11,15 horas o LN fez uma estatística da utilização do novo troço. Das 78 viaturas que passaram pela rotunda Malhada Velha, só 38 circularam pela nova via, sendo 21 no sentido norte/ sul e 17 no sentido contrário.

António Trindade

“Hoje é difícil analisar o impacto na nossa vida comercial. Durante a próxima semana já poderemos fazer um balanço com vista ao futuro. Abrimos cedo e quem vem de Lisboa são os clientes em maior número. Agora com um acesso mais direto não vão circular pela estrada nacional. Estamos desapoiados pelo Poder Local”.

Teixeira Correia

(jornalista)

Share This Post On
970x90_logo